quinta-feira, 12 de junho de 2014

Como eles conseguiram aquele som? Appetite for Destruction - Parte 3 - A Equação Izzy Stradlin

I

 Como falar do som do Appetite for Destruction sem falar de Izzy Stradlin ? Apesar da imagem do Guns N’ Roses estar totalmente ligada à dupla Axl Rose e Slash, cada integrante, sem dúvida tem um papel fundamental seja na composição, seja na sonoridade final da banda. Desde Axl a Adler, qualquer um que fosse substituído resultaria numa mudança na sonoridade atingida em Appetite for Destruction.

 Porém como estamos aqui para falar de guitarra vamos focar agora no som que sai pelo alto falante esquerdo do seu aparelho de som. Digo isto por que em geral as partes que você ouve saindo pelo lado esquerdo são as partes tocadas por Izzy, enquanto as partes que você ouve pelo lado direito ou no centro são de Slash.

 Quando ouvimos a música do disco somos impactados pelo conjunto da obra. Mas é interessante notar como os riffs tocados por ambos os guitarristas se entrelaçam. No final temos a impressão do todo, mas este todo é composto por 2 caras com personalidades opostas, abordando uma música de maneiras totalmente diferentes e formando uma unidade sonora bastante interessante.

 A forma como a mixagem trata isso é jogando o som da guitarra de um músico na esquerda e de outro na direita, com os solos no centro. Desta forma temos um som equilibrado (metade pra um lado e metade pra outro), e temos um certo nível de separação que é muito útil. O que quero dizer é que você ouve a banda como uma coisa só, porém se tiver atenção aos detalhes poderá distinguir facilmente o que é executado por um e o que é executado por outro, porque a mixagem (a forma como a música é regulada, e ajustada para soar nos falantes) favorece isto.

 Bom, este papo todo tem mais a ver com a forma, com gravação, do que exatamente com o som do Izzy.
Em termos gerais como soa o som dele? Devo dizer que em comparação ao som do Slash o Izzy soa menos distorcido e menos agressivo. O som dele é mais simples também. Enquanto Slash executa a música com um som mais pesado, agressivo e com mais notas rápidas, Izzy é um cara que faz um som mais leve, deixando as notas soarem mais tempo, um som de rock clássico simples porém com coisas legais nas bases que complementam bem o som da banda. 

 Pra revista GUITAR em setembro de 1988 ele definiu seu som desta forma:  “Eu sou um guitarrista realmente básico. Eu sempre ouço a simplicidade de uma canção”.

 E é exatamente isso que esperamos e curtimos no Izzy. O cara é praticamente um Rolling Stone dos anos 80. Então, pra executar este tipo de som, que equipamento ele usou? Qual é o timbre necessário?  

Claridade


 Pra tocar o som simples a que Izzy se refere, acredito que o melhor jeito é com um equipamento simples. Se voltarmos no tempo veremos que Izzy sempre foi um adepto da Gibson. Veja a foto abaixo:


 Essa Gibson é uma Les Paul Black Beauty. Qual a diferença básica da Les Paul que o Slash usou pra essa? Além da cor (esta é toda preta) a madeira é o diferencial. Enquanto a Les Paul do Slash e a grande maioria das LesPaul é feita de Mogno com o Top de Maple, esta do Izzy é feita totalmente de Mogno. 

 Sonoramente, o que muda? O Mogno é uma madeira nobre com o som excelente e encorpado e quando você coloca um TOP de maple você adiciona mais brilho e um “estalo” a mais no timbre. Resumindo grosseiramente a guitarra de Mogno do Izzymais mogno, mais corpo e menos brilho no som.
Porém apesar desta ser uma PUTA guitarra, acho que Izzy não estava totalmente satisfeito e você jajá vão entender o porquê. Porém antes quero analisar esta conexão.


George Thorogood


 Neste momento alguns de vocês devem estar se perguntando quem é George Thorogood...





Thorogood, além de ser o cara da foto acima, é também o líder da Destroyers e tem sucessos como este aqui abaixo:



 Pois é, a banda de Thorogood tem essa conexão com o Guns n’ Roses, os dois tem músicas na trilha sonora do Exterminador do Futuro II.  E além de estarem na mesma trilha sonora havia uma certa admiração por parte de alguns membros do Guns ao som feito pelos Destroyers. Vejam só o que Izzy disse sobre Thorogood em 88, bem antes do lançamento do filme:

“Eu sempre amei Thorogood e quando ouvi seu material no rádio amei o som.”

 Bom, legal sabemos que Izzy tem bom gosto, mas o que tem isso a ver com o Appetite for Destruction ? Só mais 1 minuto...


Voltando a Black Beauty


 A Les Paul é uma guitarra bonita, com um visual clássico, som encorpado e com punchIzzy vinha tocando em guitarras Les Paul por alguns anos, porém antes da gravação do Appetite algo mudou.

Izzy é visto fazendo shows com uma outra guitarra:




*Gibson ES-175.

 É sabido que assim que Guns conseguiu a grana do adiantamento do contrato com a Geffen, Slash adquiriu a Hunterburst, sua primeira guitarra de alta qualidade, uma réplica de uma Gibson Les Paul.
Os outros integrantes também se municiaram. Pelo que lemos na biografia do Slash, ele e Izzy visitaram a Guitar US em Los Angeles (loja já extinta de Los Angeles), onde Izzy adquiriu duas guitarras Gibson ES-175 e um amplificador Mesa Boogie.   

 Sobre as Semi-Acústicas Izzy disse a revista Guitar Player, em 1993, o seguinte: I like Les Pauls, but the hollowbodies are great, because I can play them in hotel rooms or anywhere without an amp. I just love the look, the feel, and the sound those things get. Especially those old soap-bar pick-ups”


 Então temos a passagem de Izzy da Les Paul BlackBeauty, para a semi-acústica ES-175. Que foi um modelo de guitarra que a Gibson lançou no fim da década de 40focada em guitarristas de Jazz (acho que o rock ainda nem existia). Essa guitarra era uma versão mais barata de outros modelos e custava apenas 175 dolares, daí o nome ES-175. Um destaque são os captadores P90, são captadores single da Gibson que equipavam praticamente todos os modelos de guitarras até a criação do HumbuckerO Som é mais aberto e brilhante que o Humbucker. 



*Captador P90

Desta forma Izzy conseguiu o timbre que buscava no momento.

 Bom, posso dizer que quando vejo shows onde Izzy toca com outras guitarras como Les Paul ou Telecaster, sinto que falta algo. Pra mim a semi-acústica com P90 é um elemento fundamental na equação do som do Appetite.



E o que tem o Thorogood a ver com Isso tudo???

Izzy sobre Thorogood :
“ Em um de seus shows eu vi a guitarra que ele estava tocando. Eu fui em algumas lojas e um cara me mostrou um catálogo da Gibson e eu encontrei isso. Eu levei uma Tobacco Sunburst e uma Cherry Sunburst (nome das pinturas das guitarras)”


 Quem diria que o Appetite tinha tanta influência de George ThorogoodHoje muitos músicos que são influenciados pelo Guns estão lendo este texto e talvez tirando algumas ideias pra si (eu fiz exatamente isto enquanto pesquisava) , e é legal agora ver que os caras do Guns n’ Roses fizeram a mesma coisa com suas influências.

Izzy também realizou algumas modificações para que pudesse se aproximar ainda mais do som que buscava.

I anchored the bridges. This new Gibson I've got, which is 5" deep, had a sliding bridge which I Superglued down.

O que isso significa exatamente? Bom, pelo que pude descobrir a ponte da guitarra dele foi subtituída por uma ponte mais próxima a de uma Les Paul, a famosa ponte Tune-o-Matic, que possui um sistema mecânico muito mais sofisticado do que a que vinha originalmente na ES-175.

Apesar de também ser usuário de heroína, aparentemente Izzy não precisou vender nenhum equipamento para custear seu vício, pois nos próximos shows Izzy foi fotografado tanto com a Les Paul quanto com a ES-175. Porém quando perguntado sobre as gravações do Appetite ele foi taxativo, apenas usou a ES-175. 

A maioria do tempo eu uso uma semi-acústica, na verdade na maioria das tours é somente o que eu uso. É uma ES-175 com captador P90. É uma das melhores sonoridades de guitarra que eu já ouvi. Eu fiz toda a gravação (Appetite for Destruction) com ela.”

 Finalizo este texto dizendo que apesar do som da guitarra base estar balanceado 50/50 pra cara músico, ou seja,Slash e Izzy tem participação igual nas bases, na minha visão o som do Izzy é mais “audível”. Quando ouço as músicas tenho a sensação de ouvir mais claramente suas partes do que a de Slash, e acredito que isso se deva ao uso de menos distorção. Quando ouço os áudios isolados sinto também que o som do Izzy é mais definido, enquanto o som do Slash é mais agressivo e às vezes acaba se tornando um pouco mais “embolado”.
 Reforço que estas são impressões pessoais, porém isso faz com que eu aprecie nas bases, mais o som que é feito pelo Izzy do que o som feito pelo Slash. Quero dizer que, como guitarrista, prefiro obter um som parecido com o do Izzy, quando toco uma base, do que o som obtido pelo Slash


.

 Outro importante ingrediente equação é também o Ampum Mesa Boogie que infelizmente não sabemos exatamente qual é o modelo do cabeçote:
Izzy - The tone on that through a Boogie is incredible. Slash plays a Les Paul with a Marshall. Beetween those two sounds you've got a good distinction.

OBS:

Sobre amplificadores...

Em 1988 ele disse como era o som que procurava: “Há um som que prefiro; Algo entre um cowntry clean e a distorção Marshall. 

Porém é interessante notar que Izzy não ficou 100% satisfeito com o resultado, ele queria mais médios no som. O que acho mais interessante notar é que a maioria dos músicos acha que a única forma de resolver isso é aumentar os médios no EQ, do amp ou da mesa de som na mixagem do disco, porém existem N formas de se aumentar os médios no seu som, veja como Izzy pensava em “resolver" isso pro próximo disco:

 I don't think they brought that out as well on this record as I would have liked. I recorded with a full stack. When I look back now I see the way to go is to push with a small amp. I'd like to get a bit more mids out next time. I'll try a Boogie with one 12". I've been messing around with Carvin amps and getting good tones out of those."

Ou seja, queria mudar pra um amp menor pra ter mais médios. Essas soluções criativas são muito interessantes. Bom já que começamos a falar de amplis vamos nos aprofundar neste tema estentendo também para os amplis usados pelo Slash, mas isto já é assunto pra um próximo post...