domingo, 13 de outubro de 2013

Meu Equipamento (Gear) Parte 1 - PEDAIS

 Desde que escasquetei com a ideia de que seria possível gravar um disco, com altíssima qualidade de som, em um home studio comum, a coleção de pedais começou a aumentar sensivelmente.

 Eu chamo este vício de "coleção"

O processo de pré-produção consiste em ir fazendo "guias" das músicas, que são guitarras base com metrônomo. Desta forma vou definindo a composição, enquanto compro equipamentos e faço experimentações no timbre da guitarra.

Conseguir um excelente timbre de guitarra é um processo complicado, é quase que um processo mágico, espero conseguir dividir um pouco dessas experiências no blog.



Primeiro quero falar daqueles que eu levo pra gigs.  Let's talk about pedals!


Stax Rocks - Mg Music

 Este pedal da MG chegou aqui por acaso; eu estava interessado em adicionar um Wha no meu set e já conhecia este pedal por te-lo visto na internet. Então vi um anúncio de um pedal à venda e resolvi levar. Eu ainda não o usei em nenhuma gravação, porém pretendo explorá-lo bastante neste sentido pois ele é um pedal bem versátil.

 As características que me agradaram é que ele tem diversas opções de regulagem que mudam a frequência em que o pedal atua. Dessa forma você consegue ajudar para que a área de frequência em que o pedal trabalha coincida com o timbre da sua guitarra. Se você possui uma guitarra mais grave o Wha pode "falar" mais na região dos graves. Se tem um set onde se destacam os médios idem. O pedal tem 6 opções de regulagens.  Além disso possui uma chave que muda o indutor do pedal, tendo assim 2 tipos de timbre. Um mais clássico e um com uma leve modulação junto com o Wha que lembra me um phaser.

Octavio - Dunlop

 Em 2013 saí de férias, viajei pra Londres, e
obviamente já saí daqui com planos de trazer alguma coisa de lá. Tava de olho nele porque adoro fuzz com Octave UP, na verdade considero ele outro efeito.
 Este pedal tem como principal referência Jimy Hendrix, seu grande popularizador.. Ele mistura com o som que você toca, o som de uma nota uma oitava acima e é claro, adiciona distorção na equação.
 Ele soa legal tanto pra solos como pra bases com power chords. O Octave Up é bem cheio e também deixa a guitarra gigante nos riffs. Quero fazer um post só pra ele em breve.


Power Driver SI - Plan 9



Infelizmente a Plan-9 encerrou as atividades em 2013, por que este pedal é fantástico. Clone do Colorsound Overdriver, porém com um bonus, uma chave que aciona um estágio extra de ganho. Dessa forma o que era pra ser um Boost/Overdrive consegue soar até como Fuzz. No meu set de shows uso como boost pro drive do amp. Adiciono volume e um pouco de drive, os controles de eq funcionam muito bem e você consegue regular ele como um boost full range, treble boost ou bass boost. Em estúdio vou mais além e uso como drive e fuzz também.









That's Echo Folks - Mg Music

 O último pedal da cadeia, o Echo Folks é um delay analógico com o som muito quente e cheio de recursos
pra viagens psicodélicas.
 Basicamente eu o uso para criar ambiências para os solos, isso é uma herança que tenho da influência do Randy Rhoads, foi  primeiro cara que curti que usava delay desta forma.
 Quando toco em trios uso os efeitos malucos dele pra poder variar mais o som no show. No disco do Valete in Blues usei ele bem de leve pra criar ambiências nos solos, no meu disco mais novo, quero explorar mais ele, usando alguns dos efeitos psicodélicos que ele proporciona.









Da esquerda para direita: Echo Folks, Big Muff Pi, Octavio, Alien Booster e Stax Rocks


Na Prateleira


Big Muff - Electro Harmonix


Este pedal fez por uma tempo a função principal no meu set, a "distorção" central do sistema como um todo.
 Atualmente uso ele principalmente pra gravações, o som é bem comprimido e ele deixa alguns riffs gigantescos, Quanto quero um som pesado recorro ao Muff.
 A propósito, eu ja escrevi um texto mais detalhado a respeito do Big Muff, você pode ler ele clicando aqui.




Classic 68 - Plan 9 


Esse é um dos preferidos, um clone do Fuzz Face com transístores de silício, que possuem um som com mais ganho que a versão germânio. Talvez seja o som mais clássico do Fuzz, tem um timbre bem profundo e é um pedal bem versátil. Essa versão da Plan-9 possui um filtro que quando acionado corta graves, com a ideia de permitir o uso do pedal com humbuckers diminuindo o grave excessivo. No meu caso uso esse corta graves como recurso alternativo, pra gerar timbres mais magrelos e estranhos pra algum trecho de música. É um dos principais pedais das gravações e as vezes também vai pra gig. 




Boss DS-2

A historia deste pedal é a seguinte, Eu ouvi uma música do Red Hot um dia e adorei um dos timbres, pesquisei e era este carinha. Resolvi comprar o pedal então e desde então ele está comigo. Pretendo escrever um post com mais detalhes. Eu gosto de usar esse pedal principalmente empurrando o drive do amp. É um pedal que não raramente vai pro board de gigs.


SansAmp GT2 - Tech 21


Esse pedal é muito conhecido devido a ter tido uma febre sobre ele nas últimas 2 décadas. Eu pretendo escrever um post só pra este pedal mas por hora posso dizer que não curto muito o som dele plugado num amp. Pra mim ele serve como um simulador analógico que você pode usar quando pluga a guitarra numa mesa de som ou gravações diretas. Atualmente ele está no meu Set pras gravações de baixo, a versatilidade e as características de timbre e compressão parecidas com um amp valvulado, que ele adiciona ao som, é o que me chama atenção nele;



Também passaram por aqui...



Wylde Overdrive - EFX


Este clone do Zw-44 da Dunlop costumava ser usado pra bases por mim, euqnato o The Drive da MG se encarregava dos solos. Uma curiosidade sobre ele é que ele seria usado pras bases do disco do Valete in Blues. Porém no dia da gravação ele estava captando muito sinal de rádio, então optamos por fazer tudo com o The Drive. Com a aquisição de novos amps e pedais este foi ficando meio de lado e acabei vendendo.


Alien Booster - Mg Music


Após um tempo tocando com vários pedais de drive comecei a ficar incomodado com as mudanças drásticas no timbre quando mudava de um para o outro. Eu queria criar variações de sons, porém com base no mesmo som, pois assim acredito que soe mais orgânico, mais natural.
 Então trouxe esse boost de Germanium da MG para compor meu set. O que começou a me incomodar um pouco foi que ele cortava meus graves quando acionado, depois li que isso é uma característica presente nos modelos baseados no Rangemaster. Portanto acabei optando pelo Power Driver-SI e passei esse pedal pra frente.


The Drive - Mg Music

 Este pedal foi meu único drive durante a gravação do disco do Valete in Blues. Porém com o passar
do tempo fui achando que ele era "colorido" demais pro meu gosto. Desta forma fui optando por outros pedais e deixando ele cada vez mais encostado em casa, até que resolvi vendê-lo.
 Este pedal é um Fuzz Face com os médios de um tube screamer, ele tem um toogle switch que permite escolher 3 tipos de configurações sonoras. A primeira mais grave, a segunda um timbre bem agudo e magro, e o terceiro é um meio termo entre ambos.

Até hoje gosto do timbre quando ouço as gravações do VIB e esse pedal ficou registrado ali.




Se quiser sacar o timbre ouça essa música que está no álbum do Valete in Blues:






Por enquanto é só, enquanto ainda estou gravando as guias do CD , sem duvida trarei mais pedais pra testes, e atualizarei o post novamente.


Fui
Filipe Zanella