domingo, 15 de setembro de 2013

O SOM DOS MUTANTES - REGVLVS (GUITARRA DE OURO)

 ...e a REGVLVS. Ja ouviu falar?


 Basicamente se você nunca ouviu falar sobre essa enigmática guitarra este post é para você. Descobri essa guitarra quando fazia pesquisar sobre timbres de guitarra para o laboratório da gravação do meu CD, e resolvi me aprofundar. O que eu descobri?

 Pra resumir:


 * REGVLVS RAPHAEL é uma guitarra desenvolvida pelo grande (CCDB) Claudio Cesar Dias Baptista. Construída nos anos 60, ela possui inúmeros tipos de inovações que até hoje a tornam uma guitarra diferenciada. O icônico guitarrista que utilizou (e continua utilizando) essa guitarra é Sergio Dias (Os Mutantes), irmão do criador da guitarra.

 O que ocorreu é que na época do início dos Mutantes, conseguir um instrumento de qualidade no Brasil era algo realmente complicado. Não havia boas opções no mercado nacional, e importar sempre custou uma fortuna. Foi quando o músico Raphael Vilardi pediu a seu amigo CCDB uma guitarra, a melhor guitarra que poderia ser construída.

 Foi com esse objetivo que a REGVLVS foi construída, e o processo incluiu a construção simultânea de duas guitarras. Uma era um protótipo onde as ideias eram testadas, e o outra era a versão "final", onde as ideias testadas eram aplicadas. No final do processo, o protótipo ficou tão bom que CCDB presenteou seu irmão Sergio com a guitarra. Nascia assim uma lenda.

                                   O prototipo e a versão final da Regvlvs


 O que me chamou atenção é quantidade fantástica de recursos incomuns e muito interessantes que essa guitarra possui.


 E quais seriam as inovações dessa guitarra? Porque ela é um instrumento único? Vamos lá:

 Construção - Stradivarius:

 A primeira vista o desenho dela lembra muito uma Gibson semi acústica, porém vendo a criança de perfil notamos um grande angulo do braço, que lembra muito um violino:

Figura 1



Figura 2

Figura 3



 Nas fotos acima podemos ver, respectivamente, o braço angulado da REGVLVS, o braço de um violino também angulado em relação ao corpo, e um o braço totalmente reto de um baixo Gibson, que pode ser usado como referência de braço reto em relação ao corpo. Segundo CCDB  esse desenho foi baseado nos violinos Stradivarius. Sergio Dias afirma que este formato de braço torna a guitarra mais ergonômica, pois ela envolve o guitarrista que a toca.

  "Pesquisou coisas do Stradivarius antes de fazer o instrumento. Ele estudou toda a estrutura interna dos violinos, por isso, se você olhar essa guitarra de lado, ela tem um angulo muito forte entre cavaletes, e é bem alta, os captadores tem quase 7 cm de altura entre corpo e corda. Isso traz uma transmissão de corda pra corpo, uma tradução de energia muito forte que vem de violinos, cellos.Além disso, ela fica muito mais cômoda, é ergonomicamente correta."

 Outro detalhe sobre a construção dessa guitarra é uma característica que ajuda  a dar nome a ela. Depois de escavada a guitarra foi totalmente banhada a ouro por dentro e por fora, com a finalidade de reduzir possíveis ruídos de interferência.

Sergio Dias "Na época, os transistores eram muito barulhentos, e como ela é single coil, tínhamos de dar um jeito de blindá-la inteira. Ela é cheia de circuitos por dentro, não dava pra blindar elemento por elemento. Os fios eram blindados com malha banhada a ouro também. Aí o Claudio chegou à conclusão de que a melhor coisa era folheá-la inteira a ouro, por dentro e por fora. Isso não custa uma fortuna, mas só o trabalho que dava..."

Em relação a madeiras Sergio Dias acredita que tenham sido usadas:

Corpo - Pau Marfim
Braço - Mogno ou Cedro
Escala - Jacarandá

 Captação

Piezzo
 Essa guitarra possui dois captadores magnéticos single de baixa impedância. Porém na ponte existe um terceiro captador, chamado por CCDB de "Captador Milagroso". Este captador tem um funcionamento parecido com o captador de piezzo utilizado em violões hoje em dia. Ele produz um som muito próximo do som de violão, mesmo quando utilizado numa guitarra.  A REGVLVS permite que esse som seja utilizado em isolado ou misturado com o som dos outros captadores. Quando utilizado junto com o som dos captadores magnéticos este som pode ser dividido em canais diferentes, criando um efeito estéreo. Enfim...loucura, mas é sensacional.

Atualmente esse captador da ponte foi "substituído" por um sistema com 3 captadores espalhados pelo corpo, e que faz a mesma função.

Magneticos
(Atualização do POST) Um adendo... recentemente achei em uma Guitar Player antiga uma entrevista com Sergio Dias onde ele diz o seguinte sobre a captação magnética desta guitarra.
 "Foi uma ideia que desenvolvemos para obter dois timbres distintos, um Gibson e um Stratocaster, sem precisar trocar de guitarra. Como fazer isso só trocando os pick-ups? Você faz mais taps. Taps é como interromper um transformador que tenha 110 ou 220 volts. Ele tem um tap a 110, que seria um número X de espirais, e a 220, X números de espirais a mais. Seriam 2 taps. Esse aqui tem 13 taps. Mas não vou contar mais nada porque é segredo."

Já sabemos que estes captadores são magnéticos, single coil, baixa impedância e possuem a função de taps descrita acima por Sergio Dias. Porém possuem ainda outro segredo, são hexafônicos, ou seja, podem captar o som de cada corda individualmente, vamos ver isso com mais detalhes abaixo...

Obs. Os imãs são de Alnico

  Distorção

 Essa guitarra se destaca por possuir dentro dela "distorcedores", ou seja, um som de distorção dentro da própria guitarra. Porém, pelo que Sergio Dias deu a entender em uma entrevista a revista Guitar Class, não é um overdrive comum dentro da guitarra. O sistema começa na verdade nos captadores que conseguem captar o som de cada corda individualmente, pra cada corda existe um distorcedor, que distorce o som de cada corda em separado. Depois os 6 sons distorcidos passam por um circuito de mixer que une esses sons e envia dessa forma para a saída da guitarra.

 Sergio Dias - " Não queríamos um certo brrrr (trepidação) entre as cordas quando eu fizesse um acorde, aí o Claudio disse que o único jeito disso não acontecer seria com 6 captadores independentes e seis distorcedores independentes para poder se mixar tudo depois. Foi isso o que fizemos , 6 distorcedores e 6 captadores independentes com enrolamentos de mais ou menos de 2,5k."


*CCDB e as primeiras guitarras REGVLVS

 E ele continua "São distorcedores que geram o som dos acordes, riquíssimos em harmônicos. É um som que não existe, é como se fosse um órgão."

Além disso ela tem um distorcedor que atua diretamente no som de todas as cordas.

Circuito Memória

Outra inovação presente na guitarra é a possibilidade de memorizar 2 regulagens diferentes, e mudar entre eles apenas com o acionamento de uma chave.

 Reza a lenda...


 Reza a lenda que esta guitarra foi roubada (outros dizem que foi vendida) e após o novo dono ler as inscrições abaixo, feitas por CCDB no corpo da guitarra, resolveu devolvê-la para Sergio Dias:

"Que todo aquele que desrespeitar a integridade deste instrumento, procurar ou conseguir possuí-lo ilicitamente, ou que dele fizer comentários difamatórios, construir ou tentar construir uma cópia sua, não sendo seu legítimo criador, enfim, que não se mantiver na condição de mero observador submisso em relação ao mesmo, seja perseguido pelas forças do Mal até que a elas pertença total e eternamente. E que o instrumento retorne intacto a seu legítimo possuidor, indicado por aquele que o construiu"..


 Não sei exatamente o que pude retirar desta historia como aprendizado para a minha gravação, que foi o motivador da historia toda.  Porém sei que isso me inspira a não ter limites pra minha criatividade, procurando sempre melhorar o resultado sonoro. E em termos de guitarra, continuo usando a boa e velha Les Paul.

Para finalizar quero recomendar para todos aqueles que curtem boas melodias, letras e arranjos criativos, sons vintage que ouçam os discos dos Mutantes, uma das maiores bandas de todos os tempos. 



Nesse link tem muita informação sobre a guitarra(site do CCDB) - http://www.ccdb.gea.nom.br/guitarra_ouro_ccdb.html


As Guitarras Regvlvs

A informação que circula na internet é que CCDB fabricou aproximadamente 30 guitarras Regvlvs. Apenas 3 delas são bem conhecidas.


Regvlvs nº0 Sergio Dias



Essa guitarra foi o prototipo que foi dado a Sergio Dias por CCDB. Essa guitarra tem uma cor marrom, diferente das outras, porque no processo de fabricação foi necessário um recorte na madeira. Assim sendo, CCDB optou por escurecer a madeira, afim de não evidenciar o recorte.


E você pode ver o próprio Sergio falando desta guitarra.




Regvlvs nº1 Raphael Villardi

Depois de testar algo na nº0 CCDB aplicava na nº1. Essa é a Regvlvs Raphael Villardi. Esta guitarra não possui os distorcedores, que foram adicionados apenas nas guitarras de Sergio Dias, após a construção desta.



Regvlvs nº 2



 Esta guitarra foi feita para Sérgio Dias posteriormente a construção das anteriores. Vemos que ela tinha a coloração mais clara, assim como a de Raphael Villardi.

 Sabemos que atualmente Sergio Dias não mais possui esta guitarra, ela aparentemente foi vendida por ele.

 O músico conhecido como Astronauta Pinguim afirma possuir esta guitarra atualmente, e conta que a comprou de um músico, no litoral gaúcho.



Por enquanto é só, espero que tenham curtido essa jornada assim como eu. Venho lembrar que esse texto pode, e provavelmente será alterado/corrigido, assim que eu tomar conhecimento de mais informações. 




Filipe Zanella